Artigos
Contos
Estudos e comentários
Opiniões
Pesquisa
Poemas
Mapa do site
 

ESPAÇO dos AMIGOS

Políbio Alves

ALEXANDRA DUMAS

ARRIETE VILELA

CRISTINA ANTUNES

CUNHA DE LEIRADELLA

ELISA NAZARIAN

INGRID BUENO PERUCHI

JOSÉ-AUGUSTO DE CARVALHO

JOSÉ CARLOS SANT'ANNA

MARIA ESTELA GUEDES

MARIA LÚCIA VICTOR

Veja mais POLÍBIO ALVES

REGINA ANTUNES MEYERFELD

ROBERTO DE OLIVEIRA BRANDÃO

OLHO EXATO

1.

olho na pedra

não viu a queda.

Antes dentro do tempo,

o sol, os telhados da Lapa,

os bondes sobre os arcos,

os fios telegráficos,

as sirenes abrindo espaços no trânsito.

Ainda assim, o olho engolindo Lapa,

os telhados, a multidão passando indiferente

na calçada, os arcos, o olho grande e os

cabelos continuam revoltos no vento.

2.

depois,

diante do dia: o sangue,

diante do espanto, o medo;

da janela, o grito,

no jornal, o título -

MORTE OU SUICÍDIO?

3.

na calçada, a chaga,

a cabeça aberta.

Na avenida, a multidão procura

um nome.

4.

entre o olho,

a vil palavra

se desculpava

e o morto-vivo

sem documentos/ou nome,

é a Lapa em luto

neste olho exato,

disforme fruto.

Veja mais POLÍBIO ALVES

Publicado em

Fabulação, João Pessoa, n. 4, ago. 2003, p. 39-40.

© Copyright by Políbio Alves, 2003

Foto: Geraldo Profeta Lima

Midi: Fantasia (Chopin)

LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998

No curso de um breve movimento cultural em defesa do sítio histórico rua Gabriel Malagrida - conhecido como Beco da Faculdade - (João Pessoa - PB - Brasil), dois participantes e amigos mandaram-me textos sobre o Padre Gabriel Malagrida, cuja atuação, no Brasil, foi de grande importância - Elizabeth Hazin - Evandro da Nóbrega
Artigos
Contos
Estudos e comentários
Opiniões
Pesquisa
Poemas
HOME