Artigos
Contos
Estudos e comentários
Opiniões
Pesquisa
Poemas
HOME

 

ESPAÇO dos AMIGOS

Arriete Vilela

ALEXANDRA DUMAS

CRISTINA ANTUNES

CUNHA DE LEIRADELLA

ELISA NAZARIAN

INGRID BUENO PERUCHI

JOSÉ-AUGUSTO DE CARVALHO

JOSÉ CARLOS SANT'ANNA

MARIA ESTELA GUEDES

MARIA LÚCIA VICTOR

POLÍBIO ALVES

REGINA ANTUNES MEYERFELD

ROBERTO DE OLIVEIRA BRANDÃO

Poema 3

Amo-te

no vôo da águia

para que não esqueças

o modo como afio

a lâmina da minha

poesia.

 
Poema 7

Douras

a cebola

como se dourasses

a palavra.

Depois

me abraças

como se rastreasses

vadios afetos.

Poema 13

A palavra:

o porão

onde oculto

as estiagens

do amor.

LEIA SOBRE ARRIETE VILELA

Fantasia e avesso

Lãs ao vento

Ávidas paixões, áridos amores

Grande baú, a infância

© Copyright by Arriete Vilela, 2004

Midi: Bolero (Ravel)

LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998

No curso de um breve movimento cultural em defesa do sítio histórico rua Gabriel Malagrida - conhecido como Beco da Faculdade - (João Pessoa - PB - Brasil), dois participantes e amigos mandaram-me textos sobre o Padre Gabriel Malagrida, cuja atuação, no Brasil, foi de grande importância - Elizabeth Hazin - Evandro da Nóbrega
Artigos
Contos
Estudos e comentários
Opiniões
Pesquisa
Poemas
HOME