Artigos
Entrevistas
Estudos e comentários
Opiniões
Pesquisa
Poemas
HOME
x

A escolhida - Arquivo morto - A vez e a espera - Banho turco - Canção para lembrar de mim - Da Cartilha para os livros de gente grande - Depois -- Fotografias -Jardim e mandarines -

- O álbum - --O tempo perdido -- Poderia ter acontecido em Dublin --Quasímodo perdeu a ternura - Shopping dos Milagres - Travessia - Uma mesa perto da arrebentação

 

 

 

DE PRIMEIRA VIAGEM

Sônia van Dijck


Passara por cima do falatório da família dela e das lágrimas da sogra: “minha filha... a gente nunca sabe o que vai ser da vida dos filhos...” No fundo, a velha considerava que ele era o grande culpado, não levando em conta que Amanda lhe aplicara um belo par de chifres.
Na sala de embarque, suspirou livre do check in. Atrapalhara-se.
- Também... pra que tanta bagagem? talvez nem precise de tanta roupa. E os livros?...
Na véspera, festa de despedida. A turma do Departamento organizou o bota-fora, em clima de despedida de solteiro.
- Nem imagina, cara... ah! as francesas... sabe como é... como nos filmes...
- Não!... as americanas... independentes... casadas... dão uma ou duas, rapidinho: “- As crianças vão chegar da escola, e o Bill tem um jantar de negócios. Preciso ir.” Você devia ir para os States.
- Nada disso! na cama, as francesas são como música para os ouvidos... Sou mais pelas francesas.
O discurso doutoral tinha o aval da experiência... e de alto nível.
Dormiu. Acordou com o toque da comissária sorridente, que servia o jantar. Foi ao banheiro, para esticar as pernas.
Dormiu. A comissária servia outra refeição.
- Merda! – pensou. Esta criatura parece que é paga pra me acordar!
Voltou a verificar o endereço de Sérgio.
- Bom sujeito: disse que vai estar no aeroporto.
O doutorado iria servir para novos caminhos e para esfriar a cabeça. Amanda estaria oficialmente casada com o outro, quando voltasse.
- Quem diria... logo o Nando... Parecia grande sujeito. Também contou maravilhas das francesas quando voltou. Será que faz tudo aquilo com Amanda?
Passou pela alfândega, e as malas, cada vez mais, lhe pareciam um transtorno.
O aeroporto era imenso e ficou maior quando concluiu que Sérgio não estava esperando.
- Que filho-da-puta!
A língua parecia travada. Dois anos de Aliança. Mais prático mostrar o papel com o endereço ao motorista (chauffeur - lembrou-se satisfeito). Tudo iria dar certo.
O vento da manhã fria era uma iniciação de Paris. E deixou-se levar pelas avenidas e boulevards.
Pagou e recebeu o troco, entre empurrar uma mala e outra para a entrada do prédio.
- E agora?
Lia os nomes na entrada do prédio:
- O endereço diz... Não dá pra entender. Qual deles? Aqui, é um de M. Cantel. Serjão é só da Silva. Vejamos do outro lado.
- Bonjour, Monsieur!
Uma francesa! Até tinha estado esquecido das francesas, graças à sacanagem de Sérgio. Sorridente, a francesa! Tentou dizer qualquer coisa que queria ser também um bonjour e atirou o que o imaginário pretendia que fosse seu melhor sorriso. Enquanto conferia... E aquela parecia ser a francesa mais bela de todas. E só ouvia o que lhe parecia “música para os ouvidos”, mesmo que não entendesse nada do que ela falava. Mas, havia os gestos... pareciam convite.
- Ah! o elevador... como nos filmes... Quem diria!?... não perdem mesmo tempo – pensou.
A bagagem lotou a pequena caixa. Ela sorria sempre e dizia qualquer coisa. Mas... a bagagem entre os dois...
- Deve estar dizendo que seu apartamento é lá em cima.
Não se saía tão mal. Entendeu parte de uma frase:
- ... Minard... Suzette Minard. Je suis...
Suzette... lindo!...
- Je suis Beto. – ensaiou.
- Mas, pra que tocar a campainha!?... – surpreendeu-se com o gesto.
A cara vermelha de Sérgio, arrematada por um lenço verde enrolado ao pescoço, abriu a porta.
- Oh! amigão! Bom que você encontrou o prédio! Eu sabia que você iria conseguir!
Nem teve tempo para os palavrões ensaiados no táxi. O amigo e a francesa empurravam as malas porta a dentro. A voz rouca explicava:
- Estou com uma baita gripe, cara. Febre, talvez até com pneumonia.
A francesa sorridente ainda falou qualquer coisa como “música para os ouvidos”. A porta do elevador fechou-se com um ruído metálico.
- Quem é ela? – a pergunta saiu do fundo da ansiedade e da confusão que tentava entender.
- Ah! é a concierge. Madame Minard. Eu lhe havia dito que iria chegar um amigo; pedi para que ficasse atenta e trouxesse você ao apartamento certo.
Ah!... A concierge!

Fotos: Sônia van Dijck

Midi: Sous le ciel de Paris (Jean Dréjac et Hubert Giraud)

Publicado em: O conto brasileiro hoje. São Paulo: RG Editores, 2007, v. 5, p. 113-115.

© Copyright by Sônia van Dijck, 2007

A escolhida - Arquivo morto - A vez e a espera - Banho turco - Canção para lembrar de mim - Da Cartilha para os livros de gente grande - Depois --Fotografias -Jardim e mandarines -

- O álbum - --O tempo perdido -- Poderia ter acontecido em Dublin --Quasímodo perdeu a ternura - Shopping dos Milagres - Travessia - Uma mesa perto da arrebentação

 
Artigos
Entrevistas
Estudos e comentários
Opiniões
Pesquisa
Poemas
HOME