Artigos
Contos
Entrevistas
Opiniões
Pesquisa
Poemas
HOME
   
.
As mudanças
em "Sagarana"
.

 

No conto "Sarapalha"
Exemplo 1
* Até a 2ª edição: "A gameleira, amiga das ruínas, fazedora de ruínas, brotou com o raizame nas paredes desbarrancadas."
* A partir da 3ª edição: "A gameleira, fazedora de ruínas, brotou com o raizame nas paredes desbarrancadas."

Exemplo 2
* Até a 2ª edição: "Do colmado dos juncos, irrompera o vôo curvo de uma garça; tão ligeiro, que é apenas um movimento branco, riscadono alto, em direção à mata."
* A partir da 3ª edição: "Do colmado dos juncos, se estira o vôo de uma garça, em direção à mata.”

No conto "O Burrinho Pedrês"
Exemplo 1
* Até a 3ª edição: 'Tanto, que nem seria preciso abaixar-lhe a maxila teimosa, para espiar os caldeirões dos dentes."
* A partir da 4ª edição: 'Tanto, que nem seria preciso abaixar-lhe a maxila teimosa, para espiar os cantos dos dentes."

Exemplo 2
* Até a 3ª edição: "E Juca Bananeira, que dá uma pancada na anca do Belmonte..."
* A partir da 4ª edição: "E Juca Bananeira, que dá uma palmada na anca do Belmonte..."

Suor e imagens de

Guimarães Rosa

Autor mineiro levou 21 anos melhorando “Sagarana”;
livro traduz “Grande Sertão” em ilustrações *

Por CYNARA MENEZES (da Reportagem Local)

De onde vem a inventiva de Guimarães Rosa? Uma pesquisadora da Universidade Federal da Paraíba revela a transpiração do autor em detrimento da inspiração: Rosa fazia modificações em seus textos inclusive depois de editados.
A escrita do autor mineiro (1908-1967) é dissecada ao mesmo tempo em que é lançada em livro a tradução em imagens do universo de "Grande Sertão: Veredas", sua obra máxima, sob a ótica do artista plástico, também mineiro, Arlindo Daibert (veja texto abaixo).
Segundo a pesquisadora Sônia Maria van Dijck Lima, Guimarães Rosa só esgotou a sede de mudanças em "Sagarana", seu primeiro livro publicado, 21 anos depois da criação da obra, entre maio e dezembro de 1937.
É sobre "Sagarana", livro originalmente escrito com doze contos, dos quais três foram suprimidos por Rosa para a primeira edição, que trabalha a pesquisadora.
"Não posso falar sobre os outros trabalhos, mas 'Sagarana' foi modificado até a quinta edição, em 58", diz Sônia van Dijck, que pertence à Associação de Pesquisadores do Manuscrito Literário, um grupo que trabalha sobre a gênese do texto de diversos autores.
A "crítica genética", como é chamada, rastreia as modificações a partir dos manuscritos, do texto datilografado, das anotações à mão feitas pelo autor.
Nó caso de "Sagarana", as mudanças eram feitas por Rosa algumas vezes com rasuras, recorte e sobreposição dos textos modificados e anotações nas margens do livro em edições consecutivas.
"Foram feitos cortes e acréscimos, a maior parte deles sem mudança na estrutura narrativa. Às vezes, só fazia mudanças de pontuação, como trocar vírgulas de lugar", diz a pesquisadora.
Dos originais para a primeira edição nomes de contos também foram mudados: "Sarapalha" era "Sezão"; "São Marcos" era "Envultamento"; e "A Hora e Vez de Augusto Matraga" era "A Oportunidade de Augusto Matraga".
"Sezão" (malária) chegou a ser, no primeiro original conhecido, o nome original de "Sagarana" (neologismo de Guimarães Rosa).
Quando foi enviado, em 1937, recém-concluído, para um concurso da editora José Olympio — tirou o segundo lugar sob o pseudônimo de "Viator" -. também se chamou "Contos”. O volume desapareceu.
Curiosamente, uma das fases dos originais apresentava um posfácio de Rosa afirmando que o livro estava pronto. Dizia que apesar de haver ainda "muita moita má para ser foiçada (...), melhor rende deixar quieto o mato velho, e ir plantar roça noutra grota".
Não foi assim. O próprio Rosa justificou, em entrevista concedida em 44, dois anos antes da primeira edição pela editora Universal, que quis "suprimir, em uma ou duas histórias, parágrafos (...) supérfluos para o público".
O mais incrível é que os problemas na escrita - uma palavrinha aqui, outra ali - que não escapavam ao olhar autocrítico de Rosa, mesmo com o livro já editado, parecem coisas ínfimas aos olhos do leitor (veja quadro no alto).
Para Guimarães Rosa era um flagelo: "O que me preocupa e tortura, ao rever as páginas escritas, é a angústia de evitar a chapa, o chavão, a frase feita".
E dá-lhe chulear, remendar e coser sobre a própria obra impressa até a quinta edição, já na José Olympio, quando então anuncia, estar definitivamente "acabada" e "retocada" a saga de "Sagarana".

* Nota do site: Referência à matéria sobre o livro de Arlindo Daibert –" Imagens do Grande Sertão" – publicada na mesma ocasião.

Reportagem publicada em
Folha de S. Paulo, São Paulo, 14 jun. 1999. C 6. Folha ilustrada, p. 1.

Midi: Peixe vivo

Artigos
Contos
Entrevistas
Opiniões
Pesquisa
Poemas
HOME